4 de jan de 2015

ROCKY MARCIANO, A ROCHA DE BROCKTON


Existiu verdadeiramente dois boxeadores campeões com a alcunha de  “Rocky” na vida real, um na categoria dos pesos médios e o outro na categoria dos pesos-pesados. O primeiro foi Rocky Graziano (Thomas Rocco Barbella, 1922-1990), campeão mundial dos pesos médios (de 1,70m) entre 1947 e 1948 (com 67 lutas, 52 vitórias, 10 derrotas e 5 empates), temido pelo seu gancho de esquerda e ferocidade ao lutar e que foi um dos grandes (junto a Jake La Motta) a tentar tirar o título do lendário lutador “bailarino” Sugar Ray Robinson; o segundo foi certamente quem inspirou Silvester Stallone  a criar o personagem para o cinema “Rocky Balboa”, nada menos que o campeão invicto dos pesos-pesados de 1952 a 1956, dono de um gancho de direita sobrenatural, o invencível e temido, Rocky Marciano! É sobre ele que dedico essas linhas a seguir.

Rocky Marciano, The Brockton Blockbuster
Como tudo começou – Rocco Francis Marchegiano, o futuro campeão do mundo, nasceu em 1º de setembro de 1923 no sul da cidade de Brockton, Massachussets. Era Filho de Pierino Marchegiano (operário de uma fárica de sapatos e ex-combatente da primeira guerra mundial) e Pasqualina Picciuto (típica dona de casa italiana), ambos imigrantes italianos. Rocco tinha ainda dois irmãos, Peter e Louis e três irmãs, Alice, Concetta e Elizabeth. Segundo  conta a história, o pequeno e frágil Rocco contraiu pneumonia e quase morreu quando tinha apenas 18 meses de idade. Em sua juventude praticou beisebol com seu irmão e David Rooslet (um amigo do bairro) e levantamento de pesos com equipamentos feitos em casa. Ele também improvisou um saco de pancadas com um malote dos correios recheado que suspendia numa árvore no quintal em sua casa para praticar socos. Ele estudou na Brockton High School onde jogou tanto beisebol como futebol americano. Entretanto, Rocco foi cortado do time de beisebol da escola porque havia ingressado na liga da igreja, violando assim a regra da escola que proibia seus jogadores de se juntar a outras equipes. Rocco largou os estudos após completar a oitava série. Em março de 1943, Rocco Marchegiano foi convocado para o exército por um período de dois anos. Ele começou a servir o exército em Swansea, País de Gales e encerrou o serviço militar em março de 1946 em Fort Lewis, Washington.

Rocky e seu experiente treinador, Charley Goldman
Boxe no Exército - Enquanto aguardava a alta do serviço militar, Rocco, representando o exército, ganhou o Torneio de Boxe Amador das Forças Armadas, em 1946. Sua carreira amadora foi interrompida em 17 de março de 1947, quando Rocco entrou no ringue contra um lutador profissional. Naquela noite ele nocauteou Lee Epperson em três assaltos. Mas, indo contra a corrente, Rocco voltou para a competição amadora e lutou no Torneio de Luvas de Ouro do All-East Champhionship, ainda em março, quando foi batido por Coley Wallace. Ele continou a lutar como amador por toda a primavera e competiu nas AAU seletivas olímpicas, no Boston Garden, onde nocauteou George Mclnnis, mas acabou machucando a mão seriamente durante a luta e foi forçado a abandonar a competição. Essa seria a sua última luta amadora. No final de março de 1947, Rocco e alguns amigos foram para Fayetteville, Carolina do Norte, para tentar a sorte no Fayetteville Cubs, uma organização que selecionova talentos para o time de beisebol do Chicago Cubs. Após três semanas de processos seletivos, Rocco foi cortado. Não conseguindo sorte para ingressar no beisebol,  Rocco volta para Brockton e começa a treinar boxe com o incentivo do velho amigo (também ítalo-americano), Allie Colombo. Vendo certo potencial em Rocco, os empresários Al Weill e Chick Wergeles conseguiram que ele fosse refinado pelo conceituado treinador, Charley Goldman.

Rocky nunca negligenciava os treinamentos, sua resistência e força física eram impressionantes
As Primeiras Lutas como Profissional - Mesmo tendo uma luta profissional em seus registros (contra Lee Epperson), Rocco Marchegiano, começou a lutar consistentemente como um pugilista profissional em 12 de julho de 1948.  Naquela noite, ele ganhou de Harry Bilizarian por nocaute. Rocco ganharia suas primeiras 16 lutas por nocaute, todas antes do quinto assalto, sendo que nove dessas lutas antes do primeiro assalto ter terminado. Don Mogard se tornou o primeiro boxeador a resistir 10 assaltos programados com “The Rock”, mas a vitória de Marciano foi por decisão unânime dos árbitros. No início de sua carreira, Rocco mudou a grafia de seu nome italiano “Rocco Marchegiano”, porque o apresentador de ringue em Providence, em Rhode Island, não conseguia pronunciar seu sobrenome, então decidiram “ajeitar” um pseudônimo por sugestão de Al Weill. A primeira sugestão foi “Rocky Mack”, imediatamente rejeitada por Rocco, que decidiu ficar com “Marciano”, que tinha uma sonoridade mais italiana. E ele parecia mesmo “uma rocha das mais duras vindo de marte”. Assim, Rocky Marciano ganhou mais três lutas por nocaute, mas em seguida, ele se deparou com Ted Lowry, que, conforme muitos testemunhos, tinha ganhado três ou quatro assaltos de Rocky naquela noite. De qualquer maneira Rocky manteve sua série de vitórias ao derrotar Lowry por decisão unânime. A seguir vieram mais quatro vitórias seguidas por nocaute, inclusive a luta de cinco rounds ocorrida em 19 de dezembro de 1949 contra Phil Muscato, um peso-pesado experiente de Buffalo, Nova York, e o primeiro “boxeador de nome” que Rocky enfrentou.
                 
O primeiro Susto e Lutas importantes - Apenas três semanas após essa luta, o novo palco é o Madison Square Garden de Nova York em 30 de dezembro de 1949, onde Rocky enfrenta e bate Carmine Vingo com um nocaute no sexto round que quase levou Vingo à morte. Após essa luta Rocky teria começado a  considerar os riscos de sua profissão. Carmine Vingo entra em coma após ser nocauteado por Rocky e é levado às pressas ao hospital. Após alguns dias de expectativa e muitas orações, inclusive por parte de Marciano, acontece a recuperação total de Vingo, sem sequelas. Posteriormente ambos ainda apertaram as mãos, aliviados.

Carmine Vingo após um bom início de luta, começa a se assustar com os golpes contundentes de Rocky
Após ser nocauteado por Rocky, Vingo entra em coma e entra num processo angustiante de recuperação,
mas no final, graças à Deus e as orações por parte de Rocky, amigos e familiares , tudo acaba num aperto de mãos
Em 14 de março de 1950, Rocky enfrentou Roland La Starza, vencendo por decisão dividida. La Starza pode ter sido o único boxeador a ter a oportunidade de ter derrotado Marciano na carreira profissional. A pontuação foi equilibrada para ambos os lutadores, mas Rocky foi favorecido por um sistema de ponto suplementar adotado por New York e Massachusetts, na época. O sistema geral adotado não concedia um ponto extra para um nocaute técnico e Marciano teria nocauteado La Starza durante a luta, apesar dele ter se recuperado antes da contagem final do árbitro no ringue. Ambos os lutadores estavam invictos até essa luta, com La Starza sustentando um recorde de 37 vitórias, sem nenhum empate ou derrota.
Na sequência, Rocky Marciano ganhou mais três lutas seguidas por nocaute, em seguida enfrentou Ted Lowry, numa revanche, vencendo-o novamente por decisão unânime. Depois disso ele ganhou mais quatro confrontos por nocaute, e, depois de uma vitória sobre Red Applegate, em abril de 1951, sua luta contra Rex Layne, a quem nocauteou no sexto round, foi o seu primeiro confronto a ser exibido pela TV em rede nacional em 12 de julho de 1951.

Rocky nocauteia seu ídolo, Joe Louis, e adquire credibilidade para a disputa do título mundial
A Luta Decisiva contra Joe Louis, o Demolidor de Detroit - Em 17 de outubro de 1951, surge a grande oportunidade para ser considerado um sério candidato ao título mundial, quando aos 28 anos aceitou enfrentar o lendário ex-campeão dos pesos-pesados, Joe Louis, que planejava retornar aos ringues e recuperar o título. Marciano não desprezou tal oportunidade, mesmo tendo Joe Louis como seu ídolo maior no boxe. Numa luta dura, Rocky não achava Louis que era visivelmente mais rápido e técnico, mas que sentiu o peso da idade com o passar dos rounds, favorecendo assim ao vigoroso Rocky que  o venceu por nocaute no oitavo round, fazendo com que Joe Louis se aposentasse definitivamente. Marciano  não sabia se lamentava ou comemorava a histórica vitória.

Rocky conforta Joe Louis, o Demolidor de Detroit, após o incrível combate em 1951
Em seguida, depois de mais quatro vitórias, incluindo as lutas contra Lee Savold e Harry Matthews, Rocky recebeu finalmente a oportunidade de disputar o título.

Rocky atropela o campeão Jersey Joe Walcott e toma seu título em 1952
A Luta pelo Título Mundial - Rocky Marciano, aos 29 anos de idade, enfrentou o então campeão mundial dos pesos pesados, de 38 anos, Jersey Joe Walcott. O grande evento se realizaou na cidade de Filadelfia, em 23 de setembro de 1952. Walcott fez Marciano cair de Joelhos no primeiro round (apesar dele ter se recobrado imediatamente) e começou a acumular pontos durante os equilibrados rounds que se seguiram; mas, no décimo terceiro round, quando Walcott  fintou para jogar sua pontente direita, Marciano que aguardava friamente pela oportunidade, disparou a “Susie Q” (seu gancho mortal de direita), fazendo com que Walcott caísse de joelhos com seu braço sobre as cordas. Walcott assim ficou até a contagem final do árbitro e, assim, surgiu o novo campeão mundial dos Pesos Pesados, Rocky Marciano, “the Brockton Blockbuster”. 

O campeão, o cinturão e a consagração popular
Marciano com altura de apenas 1,80 m e não mais que 85 quilos, aparentemente não tinha atributos físicos para ser um peso-pesado, mas demonstrou, até então, possuir uma impressionante resistência física, uma capacidade ímpar para absorver golpes e uma força quase sobrenatural nos seus golpes, principalmente os aplicados com a mão direita. E Rocky nunca recuava, sempre tomava a iniciativa partindo para a cima, acuando, pressionando, até conseguir seu intento.

As Duras Defesas do Título Mundial - Sua primeira defesa do título, veio um ano depois, numa revanche contra Walcott, agora com 39 anos, que desta vez foi nocauteado no primeiro round. Rocky confirmava para quem duvidasse, que merecia, de fato, o cinturão mundial dos pesos-pesados.
A próxima defesa foi contra Roland La Starza, em setembro de 1953, a quem já havia enfrentado e vencido por decisão dividida anteriormente.  Depois de estar levando uma pequena vantagem por pontos no decorrer da luta, Marciano consegue impor a La Starza um nocoute técnico no décimo primeiro round, conseguindo assim mais uma vitória, dessa sem contestatação.

Roland La Starza não teve folga no segundo confronto contra Rocky e beijou a lona
Ezzard Charles bem que resistiu, mas perdeu duas seguidas para "the rock"
Depois vieram duas lutas seguidas contra o ex-campeão dos pesos-pesados, Ezzard Charles, considerado uma lenda viva do boxe, de 33 anos. Ezzard foi o único boxeador que resistiu aos golpes de Rocky por 15 assaltos. Mas no final a vitória, em 17 junho de 1954, de Marciano foi incontestável por pontos. Na segunda luta, em 17 de setembro do mesmo ano, Rocky torna a vencer Ezzard, desta vez por nocaute no oitavo round. A próxima luta de Rocky foi contra o campeão britânico e europeu, Don Cockell, que marciano nocauteou no nono round.

Rocky Marciano fechou com "chave de ouro" sua carreira invicta contra o perigoso Archie Moore
O Último Combate - A última grande batalha de Rocky Marciano nos ringues, foi contra o veterano de 38 anos, Archie Moore, em 21 de setembro de 1955. Moore conseguiu fazer com que Marciano dobrasse os joelhos no segundo round, mas após uma breve contagem de quatro, Rocky se levanta e se recupera partindo para cima de Moore, que bravamente resistiu à saraivada de golpes de “The Rocky”, que finalmente o nocauteia no nono round e mantém o seu título invicto.

A Aposentadoria Invicta, embora precoce - E após considerar os riscos de sua carreira como boxeador, as decepções com as trapaças inerentes ao mundo do boxe profissional, e principalmente de seu afastamento nos últimos anos de sua esposa, que na época sofria de câncer e de seus filhos que mal tinham contato com o pai devido aos compromissos que lotavam a sua agenda, Rocky decide se aposentar dos ringues invicto como profissional, com 49 lutas e 49 vitórias, sendo 43 delas por nocaute, aos 32 anos, um feito até hoje nunca igualado por nenhum boxeador profissional. 

Rocky com sua esposa Barbara Cousins e sua filha  Mary Anne
Marciano convocou uma coletiva de imprensa e anunciou sua retirada em 27 de abril de 1956. Rocky considerou retornar em 1959, quando Ingemar Johansson ganhou o título dos pesos- pesados  contra Floyd Patterson em 26 de junho de 1959. Mas depois de apenas um mês de treinamento em quase quatro anos de inatividade, Marciano desconsiderou definitivamente sua volta aos ringues. Após sua aposentadoria, Rocky decidiu explorar o mundo da televisão e Hollywood, apresentando programas relacionados ao boxe e esportes. 


Rocky e seu círculo de amizade com celebridades da época: Frank Sinatra, Louis Armstrong, Marlon Brando e o comediante Jerry Lewis
Chegou a atuar como árbitro em lutas de Wrestling, já que ele chegou a ser um lutador na modalidade na escola. Marciano continuou como  árbitro e comentarista de lutas de boxe televisionadas por muitos anos. Foi assediado por celebridades da época na música e cinema, como Louis Armstrong, Frank Sinatra, os atores Marlon Brando, Dean Martin e o comediante Jerry Lewis, com quem fez parcerias hilárias. Explorou o mundo dos negócios com o parceiro e vice-presidente do Papa Luigi Spaghetti Dens, uma empresa de franquias com sede em San Francisco.

The Super-Fight: Na simulação, Rocky Marciano vence Muhammad Ali
A Super-Luta contra Muhammad Ali - No final de julho de 1969, pouco antes de sua morte, Marciano  participou das filmagens de uma luta imaginária, The Superfight: Marciano versus Ali. Em meados da década de 1960, um promotor de lutas de boxe de Miami tinha um programa de sucesso sobre lutas imaginárias entre campeões do passado. Assim, ele jogou os dados num computador sobre as principais características dos mais recentes campeões dos pesos-pesados (apesar de pertencerem a gerações diferentes), Rocky Marciano e Muhammad Ali, para simular um confronto entre ambos. Os dois campeões na época estavam inativos, Rocky já estava aposentado desde 1956 e Muhammad Ali, se encontrava suspenso e com o título de campeão cassado por ter se recusado ao alistamento militar e a lutar na Guerra do Vietnã, desde 1967. Os dois ex-campeões foram convencidos a encenar a luta com o resultado final já previsto pelo computador. Com certeza os dois estavam precisando de publicidade na época e era uma boa oportunidade de atrair os holofotes. Rocky (um pouco flácido e usando uma peruca) e Ali (sem estar na forma ideal) foram filmados fazendo sparring, sem por força nos golpes e “fazendo sombra”. Em seguida o filme foi editado demonstrando a luta hipotética como se  cada um estivesse em seu auge profissional. A filmagem foi ao ar em 20 de janeiro de 1970, segundo alguns, com duas versões; uma que mostra Ali como vencedor e a outra que teve Rocky como vitorioso no embate. O filme foi exibido em 1.500 salas de cinema nos EUA e Europa e no canal de TV, Wide World of Sports da ABC. Dizem que, posteriormente, todas as cópias foram destruídas, mas é possível ver uma versão no youtube com a vitória de Rocky Marciano. Quando perguntaram a Rocky se ele poderia ter vencido Ali numa luta real, ele respondeu: “Eu poderia ser considerado vaidoso se dissesse que podia, mas estaria mentindo se eu dissesse que não podia”. Quando perguntado a Ali sobre a vitória de Rocky na simulação, ele respondeu brincando e insinuando que seria uma armação racista: “Isso deveria ter sido feito num computador do Mississipi”. A verdade é que depois de Rocky Marciano, a categoria dos pesos pesados foi dominada pelos afro-americanos e muitos diziam que a “simulação” serviria como um “saudosimo racista” pelos caucasianos americanos e europeus. O engraçado é que até hoje muitos acreditam que a luta e resultado foram reais e outros, que tudo foi feito por computação gráfica, pasmem, em 1969! Muhammad Ali teria se arrependido da farsa pouco depois, apesar de admitir que teve uma boa impressão e desenvolvido uma boa amizade com Rocky Marciano durante as filmagens.

O avião fretado por Rocky Marciano colide com árvores num campo próximo a Newton, Iowa, em 1969
A Trágica Morte e o Nascimento de uma Lenda - Em 31 de agosto de 1969, na véspera de seu 46º aniversário, Marciano era um passageiro do pequeno avião particular, um Cessna 172, com destino a Des Moines, Iowa. Era noite e estava chovendo forte. O piloto, Glenn Belz, segundo consta, ainda não tinha horas de vôo suficientes e não era certificado para voar naquelas condições metereológicas guiado pelos instrumentos. Ao perceber que não tinha a mínima condição de prosseguir com o vôo, Belz resolveu baixar a altitude e tentar pousar num pequeno aeródromo próximo a Newton, Iowa. Na manobra arriscada e sem visibilidade, o avião bateu  em uma árvore a duas milhas próximas da pista pretendida. No trágico acidente, além de Rocky Marciano, no impacto morreram Belz e Frankie Farrel, de 22 anos, filho do mafioso italiano, Louis Fratto. Rocky Marciano estava em um jantar em Chicago, na casa de Andy Granatelli, quando foi convidado de última hora para fazer um discurso numa festa de aniversário surpresa para um amigo. Ele esperava chegar ainda pela manhã em sua casa para a festa de seu próprio aniversário preparado por sua esposa. Marciano, agora uma lenda do boxe, foi sepultado no cemitério Forest Lawn Memorial, em fort Lauderdale, na Florida. A esposa de Rocky, Barbara Counsins, faleceu de câncer cinco anos após a morte dele, na idade de 46 anos. O pai de Rocky faleceu em março de 1972 e sua mãe, em janeiro de 1986. A filha de Rocky e Barbara, nascida em 1950, Mary Anne, faleceu aos 58 anos em 2008. O filho adotado em 1952, Rocco Kevin Marciano, ainda está vivo.

A versão de Rocky Marciano por Silvester Stallone, em 1976: Rocky Balboa
Inspiração para o Cinema - Rocky Marciano foi a inspiração para Sylvester Stallone ter criado o personagem para o filme  (de 1976) que lhe deu fama, o boxeador Rocky Balboa. O que difere Marciano de Balboa  é que o primeiro era inteligente, bem articulado e ambicioso em relação aos seus propósitos e nada ingênuo, sem contar que se aposentou sem nunca ter beijado a lona; o segundo, tinha a mesma força física e obstinação para ser campeão, mas era muito ingênuo e fácil e ser manipulado por pessoas interesseiras e mal intencionadas, e mesmo sendo um personagem fictício, não se aposentou invicto como o lendário e real Rocky Marciano.

"Marciano" de 1976, com Tony Lo Bianco
"Rocky Marciano", com Jon Favreau, de 1999


Foram realizados dois filmes biográficos sobre Rocky Marciano, o primeiro intitulado (originariamente) apenas “Marciano” foi lançado em 1979 e estrelado por Tony Lo Bianco (como Rocky) num enredo que foca a dificuldade de Marciano conciliar sua carreira de boxer e seus deveres de esposo e pai; o segundo, intitulado “Rocky Marciano”, foi lançado em 1999 e estrelado por Jon Favreau (no papel de Rocky) e contou com a participação do ator Tony Lo Bianco (o mesmo que encarnou Rocky no filme anterior), nessa versão se destaca mais o lado do lutador, sua ascensão, suas conquistas e a vida depois da aposentadoria. Ambos são recomendáveis para quem curte boxe e é fã de Rocky Marciano.

Rocky não fintava, não jabeava, ele ia em linha reta para cima do adversário
Rocky e seu Legado - Marciano não era um boxeador ortodoxo, não tinha a leveza do jogo de pernas e a técnica de um Muhammad Ali, mas era um gladiador sem medo que partia para cima em linha reta, não sabia fintar e se  movia como um selvagem que se permitia levar golpes, desde que fosse o único caminho para nocautear seu adversário. Ao lançar seus poderosos golpes no ar, se espunha de tal forma que poderia levar contra-ataques que poderiam levar qualquer um à lona, mas Rocky não era qualquer um, ele suportava qualquer castigo; ele só dobraria o joelho por duas vezes em 49 lutas, a primeira ocorreu na disputa do título mundial contra Jersey Joe Walcott, e a segunda ocorreu na sua última luta como profissional, contra Archie Moore. Não havia como refiná-lo tecnicamente, não havia como domá-lo, ele se valia exclusivamente de sua força e resistência física e do disparo fatal de direita conhecido como “Susie Q”, apesar do seu também poderoso gancho de esquerda. Marciano era um obstinado guerreiro que desprezava a dor e ignorava a derrota. Muitos historiadores  do boxe criticam a real capacidade de Rocky como um grande campeão dos pesos-pesados, pelo fato de que seus adversários na época não serem tão qualificados; ora, sendo qualificados ou não, Rocky fez o que um campeão tinha que fazer, enfrentou a todos e os derrotou um a um e se despediu com uma invencibilidade só igualada a partir de 2009 por pouquíssimos boxeadores até hoje. 


Um peso pesado abaixo das medidas ideais, apenas 1,80 m e 85 kg
Só pelo fato de Rocky ter sido fisicamente inferior aos padrões vigentes para um peso-pesado, isto é, tinha apenas 1,80 de altura, 85 kg e uma envergadura de 1,73 m e mesmo assim conseguir superar todos os seus adversários tecnicamente e fisicamente  mais capacitados, já bastaria para ser considerado como um dos maiores boxeadores de todos os tempos. E na minha opinião, ele está entre os quatro melhores pesos pesados da história, que na minha ordem seriam, Muhammad Ali, Joe Louis, Rocky Marciano e Jacky Dempsey. O poder do golpe de Marciano foi medido em 1963 pela Boxing Illustrated, e chegaram à  conclusão que seu punch gerava mais energia de impacto do que uma bala perfurante e que seria comparável a mesma energia necessária para elevar um elevador de 1000 libras a um pé do chão.

A estátua feita pelos escultores mexicanos de 6 metros e 2 toneladas
Reconhecimento e Homenagens - Rocky Marciano foi nomeado “Lutador do Ano” por três vezes e suas defesas do título (entre 1952-1954) foram eleitas as “Melhores Lutas”, pela Ring. Em 2006, numa pesquisa pela ESPN, o nocaute de Marciano contra Joe Walcott em 1952, foi considerado o maior de todos os tempos. Marciano também recebeu o “Belt Hickock” dado ao melhor atleta profissional de 1952. Em 1955, ele foi eleito o segundo mais importante esportista norte-americano do ano. Rocky Marciano, como não poderia deixar de ser, é membro do Boxing Hall of Fame International e do World Boxing Hall of Fame. Uma estátua de bronze de Rocky Marciano de seis metros de altura e duas toneladas foi confeccionada pelos escultores mexicanos Mario Rendón e Victor Gutiérrez em 2012 e foi inaugurada oficialmente, em setembro do mesmo ano, na Brockton High School por conta do 60º aniversário do título mundial dos pesos-pesados  conquistado por Rocky Marciano, em 1952. Outra estátua de bronze de Marciano foi erguida em Ripa Teatina, na Itália, para comemorar o nascimento do pai de Rocky.

Rocky Marciano: Nunca haverá outro campeão como ele!
Por Eumário J. Teixeira

Um comentário:

  1. esse cara foi o melhor de todos os tempos um gênio do boxe uma força e resistencia fora do comum o maior

    ResponderExcluir