13 de nov de 2015

BLUES PILLS – O RENASCIMENTO DO HARD BLUES ROCK


Desde 2011 uma banda sueca até então desconhecida chamada Blues Pills (Pílulas Azuis) começou a se destacar no mundo do rock. Estou falando de um grupo de rock revival, estilo anos de 1970, um rock vigoroso, pulsante e sobretudo, honesto. Eles desenvolvem uma sonoridade rara para os tempos atuais e pouco comum para os jovens pertencentes à geração da música eletrônica. Mas o som vibrante dessa jovem banda está ecoando pelo mundo e é difícil passar desapercebido. Quem não curtir os carinhas das “Pílulas Azuis” é porque não tem uma bagagem sonora, conhecimento básico sobre a história do rock ou simplesmente porque não tem sensibilidade apurada ou mesmo bom gosto para apreciar essa banda incrível. Mas como dizem alguns, “gosto não se discute”...
É quase certo que não podemos contar mais com a volta de bandas como Led Zeppelin, Deep Purple, Free, Peter Green's Fleetwood Mac e outras lendas do blues rock, assim devemos torcer para que as novas promessas como o Blues Pills permaneçam fiéis ao gênero que adotaram e tenham vida longa no palco do rock & roll.


Tudo começou em 2011 quando baixista Zack Anderson e o baterista Cory Berry gravaram um demo com a lindíssima e competentíssima vocalista Elin Larsson na cidade de Orebro, na Suiça. Em seguida, durante um turnê pela França, o trio conheceu um jovem talento da guitarra de apenas 16 anos chamado Dorain Sorriaux e o convidou para se integrar à banda. Com a entrada de Sorriaux, o som da banda cresceu poderosamente e resultado foi o lançamento em 2012 do EP de estréia, Bliss, com o quarteto adotando definitivamente o nome Blues Pills. O nome escolhido para a banda foi baseado no blog de um amigo que divulgava o rock das décadas de 1960 e 1970.


Blues Pills lançou um single ainda naquele ano intiulado 'Black Smoke', e em 2013 fizeram apresentações em festivais de rock europeus prestigiados, como Roadburn em Tilburg, na Holanda, e no Desert Fest, em Berlim. A banda ainda conseguiu emplacar uma turnê pela Alemanha até que foram descobertos e contratados pela gravadora Nuclear Blast.
Assim, com a formação integrada por Elin Larsson, nos vocais; Dorian Sorriaux, na guitarra; Zack Anderson, no baixo e André Kvarnströn, na bateria (substituindo Berry), os Blues Pills lançaram a seguinte discografia, até agora:

    - Devil Man (EP – 2013)
    - Live at Rockpalast (EP - Fevereiro de 2014)
    - Blues Pills (CD - Julho de 2014)
    - Blues Pills Live (CD – 2014)


Em seu lançamento em Julho de 2014, o álbum Blues Pills atingiu o Top 5 na Alemanha e também alcançou as primeiras posições na Áustria, Suíça e Reino Unido.
O som do Blues Pills é as vezes comparado ao Led Zeppelin, Free, Janis Joplin e até Jimi Hendrix. Mas ao escutar o cd Blues Pills de 2014, o timbre da guitarra e arranjos, por vezes me lembraram o Peter Green's Fleetwood Mac. Assim, para meus ouvidos o Blues Pills é uma combinação da sonoridade da guitarra de Peter Green's Fleetwood Mac com os vocais de Janis Joplin e Robert Plant. Embora a vocalista Elin Larsson declarar que foi muita influenciada por vocalistas de blues & soul como Big Mama Thornton, Etta James e Aretha Franklin.


Por Eumário J. Teixeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário