1 de out de 2011

ÊXODOS – A PRIMEIRA BANDA BRASILEIRA DE ROCK EVANGÉLICO

O cenário político e social do Brasil no início dos anos de 1970 era tenso e mesclado com a euforia da conquista do tri-campeonato mundial de futebol no México pela seleção liderada por Pelé e companhia. Mas nada encobria a insatisfação dos jovens que tinham nas manifestações públicas estudantis uma forma de protesto contra a ditadura militar imposta, e tais passeatas eram prontamente reprimidas na base da borrachada nos lombos dos agitadores. O rock secular já estava instalado na nossa cultura, como também o hábito de se drogar em nome da paz, do amor e do sexo. Queríamos a liberdade de manifestação que tinham nossos brothers norte-americanos que sem saber eram manipulados pela indústria através do movimento de contra-cultura de paz e amor dos hippies já absorvida pelo sistema. E enquanto o pau comia no Vietnã, muito rock, drogas e sexo livre para eles, no final quem iria se lembrar do vietcongs?. Aqui, no entanto, era diferente, a luta era outra, pois nos sombrios porões da ditadura nossos agentes do DOPS e SNI treinados pela competente CIA, torturavam a todos que julgavam subversivos e pró-comunistas, independentemente de sua classe social. A igreja católica, no geral, até apoiava a caça aos supostos comunas ateus no Brasil; já as denominações protestantes se fechavam em si mesmas e só tratavam das coisas de Deus, não se envolviam com política como os irmãos católicos, mas se omitiam.
Neste contexto, em 1969, um grupo de jovens de idade de 17 a 20 anos que freqüentava uma igreja batista, estava desenvolvendo um louvor diferente no púlpito. Algo que para a época era impensado e incomum, mas que lhes trouxe muitos problemas. Em 1971, a igreja batista de Vila Bonilha na cidade de São Paulo tinha um louvor atípico consolidado que era comandado inicialmente pelos jovens cristãos Edson (bateria), Eli (baixo), Nelson (Vocal), Osvayr (violão e guitarra base) e Osnyr (guitarra solo). Após a entrada de Lucas em 1973, a banda se fixou com quatro integrantes: Lucas (violão, guitarra base e vocal), Osnyr (guitarra solo e vocal), Osvayr (baixo e vocal) e Edson (bateria). A maioria das músicas da banda eram compostas pelos irmãos Osnyr e Osvayr e ainda hoje os quatro integrantes já na faixa dos sessenta anos ainda louvam a Jesus Cristo em cultos apesar de não pertencerem a uma igreja evangélica específica. O repertório do Êxodos consta mais de 50 músicas nos estilos mais variados. Apesar de na época chamarem a atenção nacionalmente através de entrevistas a revistas semanais como a Veja em 1973 e 1976, Êxodos nunca chegou a gravar um disco devido a vários fatores como: os altos custos exigidos para tal; pela sua igreja ser da periferia e não ter recursos suficientes; e a falta de uma gravadora evangélica em meados dos anos de 1970. A mídia naqueles anos turbulentos praticamente ignorava músicas ditas de louvor. Mas apesar disso, foram salvas algumas gravações da banda para registrar sua história.
Êxodos participou pela primeira vez de um festival de música evangélica em Itajubá, Minas Gerais, no ano de 1972 ganhando o primeiro lugar com a canção “As Maravilhas que Deus fez por Mim”; e em 1973 no mesmo festival, ganhou o terceiro lugar com a lindíssima e famosa “Galhos Secos”. Cada vez mais reconhecidos no meio evangélico eles eram requisitados para tocar em igrejas de denominações diversas como as presbiterianas, batistas e pentecostais e em encontros de grupos de jovens por todo o país. Mas havia a corrente contrária à banda que diziam que seu estilo voltado para o rock não combinava com a igreja já que o rock & roll era criação do diabo. A banda era constantemente pressionada para ‘maneirar’ o som e controlar gestos e performances com vocais mais suaves. Por respeito à hierarquia da igreja chegaram a tocar alguns números com arranjos mais leves mas sem abrir mão de intercalar um som mais ‘pesado’ (para época). Em 1976 se rebelam definitivamente e começam louvar com o som totalmente ‘pauleira’ na igreja em que congregavam, o que atraía muitos jovens. O interessante é que atualmente o som não seria tão pesado, mas Êxodos era influenciados principalmente por bandas seculares como Mutantes, O Terço e Made In Brazil. Eles queriam ter liberdade de espírito para louvar a Deus de acordo com sua geração e foram fortemente incentivados também pelos movimentos de protestos de jovens contra o regime ditatorial. Entretanto e finalmente, o movimento da banda foi confrontado por uma vizinha que acionou o Dops (Departamento de Ordem e Política Social) para acabar com aquele som ‘barulhento’ da igreja do lado baseado no AI-5 (Ato Institucional do Ministério de Justiça). O incidente gerou mais dificuldades de relacionamento com a ala mais conservadora da igreja. Em consequência o conselho da Igreja Batista da Vila Bonilha decidiu que a Êxodos não poderia mais tocar na igreja e foram ‘excluídos’ em 1976. Ainda assim eles continuaram a se apresentar em eventos de outras igrejas como as pentecostais, onde foram bem acolhidos, e na Igreja Brasil para Cristo, embora nunca mais se comprometessem seriamente com outra denominação, já que a dor da exclusão os deixaram muitos magoados e desacreditados, sem mencionar que a base doutrinária dos quatro integrantes da banda era da igreja batista e lhes era muito difícil a adaptação em outra denominação. Um episódio interessante aconteceu após a expulsão da igreja, eles conseguiram com um amigo um porão para ensaiarem e guardar os instrumentos que teriam sido consagrados ao louvor a Deus. Neste ínterim, ainda magoados e revoltados eles decidiram a tocar rock & roll secular em bailes para ganhar a vida, mas antes que isso acontecesse, ocorreu forte chuva, o 'porão do Zé' desmoronou e eles perderam todos os instrumentos. Eles entenderam o acidente como um aviso de Deus para que não abandonassem o louvor e que perseverassem na fé. Foi evidente que a exclusão da banda taxada de ‘rebelde’ levou muitos jovens crentes debandarem também dos cultos e culminou com a saída logo em seguida do pastor Samuel que os apoiava. Naqueles 'anos de chumbo' o rock secular já era mal visto pelo governo e sociedade, não seria então diferente numa igreja evangélica tradicional. O fim da banda foi inevitável,mas os quatro membros da Êxodos continuaram a procurar a Deus migrando de uma igreja para outra. Lucas, até onde se sabe, acabou por desistir e não quis mais congregar, Osnyr e Edson procuram ser fiéis à Jesus Cristo sem se fixar em alguma denominação, e Osvayr estaria freqüentado a Assembléia de Deus. Em 1981 Osnyr e Osvayr resolveram tocar novamente, não na Êxodos, mas em outras bandas gospel como convidados. Osvayr por exemplo, foi para a banda Som Maior onde gravou “Galhos Secos” em 1984, e a banda Catedral também fez uma boa versão para a mesma música. Atualmente com o cenário mudado e a mídia aberta para o mercado gospel crescente em todo o país, Osnyr e Osvayr estão dispostos a ceder suas músicas para qualquer banda gospel que se interesse em gravá-las e quem sabe finamente reavivar a banda Êxodos e dar uma versão definitiva ao som pioneiro da música evangélica brasileira num tempo em que as coisas eram muito mais difíceis que hoje. Que Deus abençoe a todos os membros da banda Êxodo e que eles permaneçam na busca do único Deus e Salvador independentemente de denominação, crendo que o importante é entendermos o que realmente aconteceu na cruz do calvário e que isso contribua no verdadeiro milagre de nossas vidas que é a mudança de nosso caráter em Cristo.

Nota: Um disco revival foi lançado em 2006 com gravações da banda que cobre o período de 1970 a 1977. Esse disco revive grandes sucessos desta que sem dúvida foi a primeira banda de rock evangélico do Brasil (e talvez do mundo). A música "Galhos Secos" é o destaque, pois é conhecida por ter sido posteriormente regravada pelo Sol Maior e pela Banda Catedral.



Êxodos - Revival - 1970-1977, com as músicas:

1 - Mudança de vida
2 - Jesus é a resposta
3 - Galhos Secos
4 - Pelos caminhos do Senhor
5 - Encontrei a Resposta
6 - Fim da viagem
7 - Maravilhas
8 - Deus e deuses
9 - Clamando por salvação
10- Vamos já louvar
11- Você é feliz?
12- Dois caminhos
13- O mundo esqueceu

Clique no link para ouvir a versão de "Galhos Secos" com Êxodos:

http://youtu.be/X_7G1HNvffs

Por Eumário José Teixeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário