4 de out de 2010

OBITUÁRIO DO BLUES, JAZZ, SOUL E ROCK & ROLL

Datas de falecimento dos grandes ícones da música norte-americana e européia.

Com o simples objetivo de informar e se manter informado, venho a partir desta tentar manter esse obituário atualizado, para que a partida de alguns nomes importantes da música não passem desapercebidos.
Obs.: Aceito ajuda para atualização ou correção do quadro de datas dos falecimentos.


Willie Dixon cantava no Big Three Trio na década de 1940: “Don’t Let That Music Die...”, ou seja, “não deixe esta música morrer....”, mas o tempo está passando e eles estão indo aos poucos. Eles são a música, a boa música, e só nos deixam saudades e alguns registros em som e vídeo. Dêem uma olhada, por exemplo, a partir de 2000 para frente, quantos se foram...o fim está próximo e o espaço para a música de primeira está cada vez mais restrito e estreito...Ai de nós!
Apesar de grandes nomes da música já terem partido em décadas anteriores, decidi iniciar os registros pela década de 1940 por simples questão de espaço.


Década de 1940

- 02/03/1942 – Charlie Christian, exímio guitarrista de jazz, se projetou no sexteto de Benny Goodman, sua destreza abriu caminho para solos de guitarra nas big-bands, influenciou vários guitarristas como T-Bone Walker e George Benson; morto em decorrência de tuberculose aos precoces 25 anos de idade.
- 15/12/1944 – Glenn Miller, trompetista, bandleader, impôs o som de sua big-band cheio de swing em plena segunda grande guerra mundial. Morto precocemente aos 40 anos em acidente aéreo enquanto se dirigia para a França em plena guerra. Os destroços do avião nunca foram localizados.
- 01/06/1948 - Sonny Boy Williamson I (John Lee Curtis Williamson), gaitista e vocalista de blues, talvez o primeiro gaitista popular do gênero, autor do clássico “Good Morning Little School Girl” gravado pelos Yardbirds e tantos outros, após sua morte muitos surgiram com o nome “Sonny Boy” almejando seu lugar; foi assassinado na rua enquanto se dirigia à uma apresentação em circunstâncias não totalmente esclarecidas, aos precoces 34 anos. Sua últimas palavras, segundo consta, foram: “Lord, have mercy”.

Década de 1950

- 12/03/1955 – Charlie Parker, Jr., fundador do movimento bebop no jazz, saxofonista, conhecido como “bird, morto aos precoces 34 anos.
- 15/08/1958 – Big Bill Broonzy (William Lee Conley Broonzy), exímio guitarrista e vocalista de folk & blues, morto em decorrência de câncer na garganta.
- 03/02/1959 – Buddy Holly (Charles Hardin Holley), vocalista, guitarrista e compositor de rock, não o rock & roll básico, já que tendia mais para o pop rock com influências de rockabilly, isso já no final da segunda metade dos anos de 1950; inovador, ostentava uma guitarra fender stratocaster, tinha um visual nada rebelde para um roqueiro, já que usava óculos de grau e terno; iniciou sua meteórica trajetória acompanhado pelos The Cricketts (baixo acústico e bateria); gozou apenas um ano e meio de sucesso, pois após largar os Cricketts para seguir carreira solo em 1959, morre num desastre aéreo após um show, quando o aeroplano que decolou de Clear Lake, Iowa, caiu há algumas milhas depois no milharal de Albert Jahl; Buddy Holly tinha apenas 22 anos.
- 15/03/1959 – Lester Young, saxofonista tenor de jazz, excêntrico e extremamente tímido, fez uma rica parceria com Billie Holliday, os dois se completavam nos palcos e estúdios, ele quem apelidou Billie de “Lady Day” e esta por sua vez o chamava de “Presidente” e mais tarde abreviou para “Pres”; seus problemas com o álcool o levou à morte aos 49 anos. Billie faleceria quatro meses após.
- 17/07/1959 – Billy Holliday (Eleanor Fagan Gough) chamadas pelos fãs de Lady Day, cantora de estilo elegante e charmoso de jazz, blues e love songs, morta em decorrência de complicações hepáticas aos 44 anos.

Década de 1960

- 24/05/1963 – Elmore James, de vocal estridente era considerado o rei da slide guitar, um ícone do blues deixou vários seguidores como J. B. Hutto, Jeremy Spencer e George Thorogood, gravou ¨Dust My Broom” e “It Hurts Me Too”, morto em decorrência de ataque cardíaco aos 45 anos.
- 11/12/1964 – Sam Cooke (Samuel Cook), cantor de soul, iniciou-se com o gospel mas foi seduzido pela música do mundo como o soul, blues e pop; suas gravações de gospel e spirituals são de primeira qualidade e geralmente era acompanhado pelo conjunto vocal The Soul Stirrers. Mas sua fama veio mesmo com o som mais comercial, e alguns de seus maiores sucessos são “You Send Me”, “Only Sixteen”, “Wonderful World”, “Cupid”, “Chain Gang” e “Twistin’ The Night Away”. Sam Cooke viveu os momentos de tensão racial nos EUA no início dos anos de 1960, foi ativista político e amigo de outro ídolo afro-americano que lutava pela mesma causa, Muhammad Ali. Cooke Morreu, aos precoces 33 anos, assassinado a tiros num motel de Los Angeles pela gerente que alegou legítima defesa, já que ele estaria correndo em sua direção descontrolado e semi-nu. O caso nunca foi devidamente esclarecido.

- 25/05/1965 – Sonny Boy Williamson II (Alex “Rice” Miller), gaitista e vocalista de blues de estilo excêntrico e pessoal, que tinha como preferência as gaitas Hohner; idolatrado por John Mayall, The Yardbirds e The Animals, faleceu em decorrência de causas naturais aos 65 anos.
-15/04/1967 - J. B. Lenoir, guitarrista, vocalista e compositor de blues, manifestava em suas letras seu repúdio à guerra do vietnã e à discriminação racial; foi ídolo de John Mayall que compôs “The Death Of J. B. Lenoir” ao saber de seu falecimento em conseqüência das lesões sofridas e indevidamente tratadas decorrentes de um acidente de trânsito, aos precoces 38 anos.
- 17/07/1967 – John Coltrane, Saxofonista e compositor de jazz, morto em decorrência de câncer no fígado.
- 10/12/1967 – Otis Redding (Otis Ray Redding, Jr.), cantor de soul, um dos maiores expoentes do gênero, foi a sensação no célebre festival internacional pop de Monterey em 1967 junto com Janis Joplin e Jimi Hendrix. Lançou vários hits da soul music, tais como “Mr. Pitiful”, “Come To Me”, “That´s How Strong My Love Is”, “Fa-Fa-Fa-Fa-Fa (Sad Song)”, “Try A Little Tenderness” e a belíssima “(Sittin’ On) The Dock Of The Bay” que foi lançada após sua morte, aos precoces 26 anos, em decorrência da queda do avião em que se encontrava ao sobrevoar Madison, no estado de Wisconsin.
- 15/02/1968 – Little Walter (Marion Walter Jacobs), gaitista e vocalista de blues, o primeiro a amplificar a gaita, imortalizou os blues “Juke”, “Key Of The Highway”, “My Baby” e “You Better Watch Yourself”; de temperamento explosivo aliado ao vício dos jogos, bebidas e mulheres, faleceu devido às lesões adquiridas numa briga de rua, aos precoces 37 anos.
- 19/05/1969 – Coleman Hawkins (Coleman Randolph Hawkins), saxofonista de jazz venerado, morto em decorrência de causas naturais aos 64 anos.
- 01/12/1969 – Magic Sam (Samuel Maghett), guitarrista e vocalista do west side de Chicago, que junto a Otis Rush, Buddy Guy e Luther Allison renovou o blues elétrico no final da década de 1950; morreu em decorrência de ataque do coração precocemente aos 32 anos.

Década de 1970

- 21/04/1970 – Earl Hooker (Earl Zebedee Hooker), guitarrista de blues, primo de John Lee Hooker, era considerado o guitarrista dos guitarristas de blues, apesar de não se limitar somente ao blues, pois usualmente fazia versões instrumentais de clássicos de blues e rock; morto em decorrência de ataque cardíaco aos precoces 41 anos.
- 24/04/1970 – Otis Spann, pianista e vocalista de blues, participou da banda de Muddy Waters nos anos de 1950, gravou com o Peter Green’s Fleetwood Mac, morto em decorrência de ataque cardíaco aos precoces 40 anos.
- 03/09/1970 – Alan “Blind Owl” Wilson, vocalista, pianista, gaitista e guitarrista de blues, membro fundador da banda californiana Canned Heat, expert em blues, gravou com John Lee Hooker pouco antes de morrer em decorrência de overdose de drogas, aos precoces 27 anos.
- 18/09/1970 - Jimi Hendrix, o maior guitarrista do rock de todos os tempos, morto em decorrência overdose, aos 27 anos.
- 04/10/1970 - Janis Joplin, branca de voz negra, cantora de rock e blues, morta em decorrência overdose, aos 27 anos.
- 06/07/1971 – Louis Armstrong, trompetista, vocalista e líder carismático de banda de jazz, tinha como característica sua voz rouca, participou de filmes, foi considerado “Embaixador do Jazz” pelo mundo; morto em decorrência de causas naturais aos 69 anos.
- 12/10/1971 – Gene Vicent (Vicent Eugene Cradoock), vocalista, guitarrista e compositor de rock & roll, sempre acompanhado pela banda Blue Caps, estourou na segunda metade dos anos de 1950 com o hit “Be-Bop-A-Lula” e outros como “Blue Jean Bop” “Who Slapped John” e “Crazy Legs”, mas infelizmente sofreu um acidente de carro durante uma excursão na Inglaterra no qual faleceu seu grande amigo e também guitarrista de rock, Eddie Cochran. A partir desta tragédia Vicent nunca mais se recuperou, veio a depressão e o consumo excessivo de álcool, que o levou a morte em decorrência de cirrose gástrica, aos precoces 36 anos.
- 29/10/1971 - Duane Allman, exímio guitarrista slide co-fundador da banda de southern rock, The Allman Brothers Band; gravou com Eric Clapton, Aretha Franklin, Bozz Scaggs, Wilson Pickett, John Hammond, dentre outros, morto em decorrência de acidente de motocicleta, aos 25 anos.
- 27/01/1972 – Mahalia Jackson, rainha do gospel, influência decisiva para Aretha Franklin, morta em decorrência de causas naturais.
- 28/03/1974 – Arthur “Big Boy” Crudup, guitarrista e vocalista de country blues, de quem Elvis gravou “That’s All Right (Mama)” de forma mais acelerada e estourou para o mundo; morto em decorrência de causas naturais aos 68 anos.
- 24/05/1974 – Duke Ellington (Edward Kennedy Ellington), conhecido como “duque do jazz”, compositor e pianista, líder de big-band que tocava swing, progressive jazz e standards, morto em decorrência de complicações de câncer e pneumonia aos 75 anos.
- 16/03/1975 – T-bone Walker (Aaron Thibeaux Walker), guitarrista e vocalista de blues, autor de “Stormy Monday Blues”, venerado por Chuck Berry e B. B. King, morto em decorrência de causas naturais aos 64 anos.
- 04/02/1975 – Louis Jordan, saxofonista e líder dos Timpany Five, foi considerado por muitos como um músico à frente de seu tempo, entre seus grandes admiradores está B. B. King e Chuck Berry, sua banda tinha um som balançante e com batidas semelhantes ao que viria a ser o rock & roll; morto por causas naturais aos 66 anos.
- 17/12/1975 – Hound Dog Taylor (Theodore Roosevelt taylor), guitarrista slide e vocalista de blues, redescoberto por Bruce Iglauer da Alligator Records em meados da década de 1970, quando ele estava ficando em evidência novamente, faleceu em decorrência de um câncer, aos 60 anos.
- 10/01/1976 – Howlin’ Wolf (Chester Arthur Burnett), um dos pilares do blues de Chicago, vocalista de voz gutural e uivante, gaitista e guitarrista, gravou “Sittin’ On Top Of The World”, “The Red Rooster” e “Who’s Be Talking”, morto em decorrência de complicações em cirurgia aos 66 anos.
- 27/08/1976 – Jimmy Reed (Mathis James Reed), guitarrista, gaitista e vocalista de blues, conhecido como o “rei do soft blues” ou blues suave e dançante. Dono de vários hits gravados por The Rolling Stones, The Animals, The Yardbirds, Them, Elvis Presley e outros; alguns de seus maiores sucessos foram “Bright Lights Big City”, “Big Boss Man”, “Shame, Shame, Shame” e “Ain’t That Loving You Baby”, morto em decorrência de crise epilética com parada respiratória aos 50 anos.
- 28/12/1976 – Freddy (Freddie) King, vocalista e guitarrista influente do blues gravou “I’ m Tore Down”, “Hide Away”, “San-Ho-Zay”, “Have You Ever Loved A Woman” e “Someday After A While (You’ll Be Sorry)”; Eric Clapton, Peter Green, Mick Taylor e John Mayall eram fãs devotos do guitarrista texano, morto precocemente em decorrência de ataque cardíaco.
- 16/08/1977 - Elvis Presley, o rei do Rock, o branco de voz negra, o elo que uniu a música de brancos e negros, dominava as baladas, o rock & roll, o gospel e o blues, de enorme discografia e hits, foi adorado pelos Beatles e Rolling Stones, respeitado por Mahalia Jackson, B. B. King e Albert King, morto em decorrência de insuficiência cardíaca, aos 42 anos.

Década de 1980

- 30/01/1980 – Professor Longhair (Henry Roeland Byrd), pianista e vocalista de blues e folk de New Orleans exótico e carismático, entre seus admiradores estavam Doctor John e Snooks Eaglin, reconhecido comercialmente pouco antes de falecer em decorrência de causas naturais aos 61 anos.
- 15/02/1981 – Michael (Mike) Bloomfield, guitarrista norte americano de blues rock, tocou com Paul Butterfield, American Flag, Al Kooper e Bob Dylan, morto em decorrência de overdose aos 37 anos.
- 05/04/1981 - Bob "The Bear" Hite (vocalista do Canned Heat), morto em decorrência de infarto, aos 35 anos.
- 09/12/1981 – Bill Haley (William John Clifton Haley) , vocalista e guitarrista de rock & roll, popularizou o gênero antes da chegada de Elvis Presley. Apesar de começar a fazer sucesso e se tornar ídolo da juventude mesmo aos 30 anos, perderia seu posto para Elvis Presley que era mais jovem, sensual e agressivo em suas performances; Bill Haley Excursionou pela Europa com sucesso, coisa que não ocorreu com Elvis que nunca se apresentou fora dos EUA; sua marca característica era a mecha de cabelo na testa, tal como a do super-homem. Seus sucessos se tornaram hits memoráveis do rock & roll básico: “Rock Around The Clock”; “Shake, Rattle And Roll”; “ABC Boogie”; “See You Later Alligator”; The Saints Of Rock ‘N’ Roll, etc.; faleceu em decorrência de ataque cardíaco em sua casa aos 55 anos.

- 30/01/1982 – Lightnin’ Hopkins (Samuel Hopkins), guitarrista e vocalista texano de country blues, morto em decorrência de câncer de esôfago aos 69 anos.
- 17/02/1982 – Thelonious Monk (Thelonius Sphere Monk), pianista e compositor de jazz, de estilo nada ortodoxo e de som dissonante, classificado como bop, hard bop e post bop; irritou-se nos anos de 1970 com a influência do rock e do Free Jazz no cenário musical norte-americano, caiu em depressão e mudou-se para a Inglaterra onde foi amparado pela amiga e amante, Baronesa Pannonica de Koenieswarter, que financiava jazzistas norte-americanos em solo europeu; com ela permaneceu alheio à música até sua morte em decorrência de causas naturais.
- 30/04/1983 – Muddy Waters (Mckinley Morganfield), um dos pilares do blues, gravou “Mannish Boy”, “(I’m Your) Hoochie Coochie Man”, "I've Got My Mojo Working", e "I Feel Good", guitarrista slide e voz característica, morto em decorrência de ataque cardíaco aos 68 anos.
- 01/01/1984 – Alexis Korner, de nacionalidade francesa, guitarrista e vocalista de blues, jazz e rock, foi pioneiro dos gêneros na Inglaterra, mentor de vários músicos de r & b e rock britânicos como Mick Jagger, Keith Richards, Jimmy Page, John Paul Jones e John Mayall; morto em decorrência de câncer nos pulmões aos 55 anos.
- 01/04/1984 - Marvin Gaye, cantor de soul sofisticado, foi assassinado pelo próprio pai, aos 44 anos.
- 26/04/1984 – Count Basie (Willie Allen Basie), pianista e bandleader de uma banda de swing, jazz e blues, morto em decorrência de causas naturais aos 79 anos.
- 07/08/1984 – Esther Phillips (Esther Mae Jones), cantora de blues & jazz, conhecida no início de carreira como Little Esther Phillips, morta em decorrência de complicações hepáticas, aos 48 anos.
- 23/11/1985 – Big Joe Turner (Joseph Vernon Turner), vocalista da escola de Kansas City de blues gritado ou “shouter blues”, jazz, r & b, dono de uma voz de barítono inconfundível, foi um mestre para vocalistas como Jimmy Whiterspoon, Sam Cooke, Jackie Wilson e Fats Domino; morto em decorrência de parada cardíaca aos 74 anos.
- 25/12/1985 – Eddie “Playboy” Taylor, guitarrista e vocalista de blues, participou da banda de Jimmy Reed nos anos de 1950 e 1960, morto em decorrência de causas naturais aos 62 anos.
- 13/06/1986 – Benny Goodman, considerado o “rei do swing” e o “patriarca da clarineta”, foi bandleader e comandou um sexteto que revelou o incrível guitarrista Charlie Christian, morto em decorrência de causas naturais aos 77 anos.
- 04/05/1987 - Paul Butterfield, fundador da Paul Butterfield Blues Band, gaitista e vocalista de blues rock, morto em decorrência de overdose, aos 44 anos.
- 24/02/1988 – Memphis Slim (John Len Chapman ou Peter Chapman), pianista e vocalista de blues de estilo único, que fez carreira e fama na Europa onde também faleceu, de complicacões renais aos 72 anos.
- 09/04/1988 – Brook Benton (Benjamim Franklin Peay), cantor de soul, morto em decorrência de causas naturais aos 56 anos.
- 14/08/1988 – Roy Buchanan, guitarrista e vocalista de blues-rock, considerado o maior guitarrista desconhecido de todos os tempos, título irônico, pois era respeitado pela maioria dos guitarristas de blues e rock, mas não teve o reconhecimento merecido em vida. De temperamento forte, foi achado morto por enforcamento na cela de uma prisão em circunstâncias obscuras, aos 48 anos.
- 06/12/1988 - Roy Orbison, vocalista melancólico e pioneiro do rock & roll, de vários hits como "Oh, Pretty Woman", "Candy Man", "Mean Woman Blues", "Only The Lonely" e "Blue Angel", morto em decorrência ataque cardíaco, aos 52 anos.

Década de 1990

- 03/04/1990 – Sara Vaughan (Sara Lois Vaughan), vocalista de jazz, chamada de “Sassy” e “A Divina”, morta em decorrência de causas naturais, aos 66 anos.
- 25/04/1990 – Dexter Gordon, saxofonista de jazz, idolatrado na Europa onde fez carreira, gravou sua discografia e filmou, morto em decorrência de causas naturais aos 67anos.
- 27/08/1990 - Stevie Ray Vaughan, guitarrista texano influenciado por Jimi Hendrix e Albert King, morto em decorrência de acidente aéreo, aos 35 anos.
- 28/09/1991 – Miles Davis (Miles Dewey Davis), trompetista inovador, polêmico e criador, morto em decorrência de causas naturais aos 65 anos.
- 21/01/1992 – Champion Jack Dupree (William Thomas Dupree), ex-boxer, pianista e vocalista de blues da escola de New Orleans, pintor nas horas vagas, idolatrado na Europa onde viveu até sua morte por causas naturais aos 81 anos.
- 29/01/1992 – Willie Dixon (Willie James Dixon), baixista, vocalista, arranjador e empresário de blues, considerado “the big boss”, compôs vários blues hits para Muddy Waters, Howlin’ Wolf, Koko Taylor, Little Walter, Eddie Boyd e outros, ele era o blues e ele era a música; morto em decorrência de ataque cardíaco aos 77 anos.
- 21/12/1992 – Albert King, guitarrista canhoto de blues, mestre da flying V guitar, gravou “Born Under A Bad Sign”, “Oh, Pretty Woman” e “Crosscut Saw”, idolatrado por John Mayall, Stevie Ray Vaughan e Gary Moore; morto em decorrência ataque cardíaco.
- 06/01/1993 – Dizzie Gillespie (John Birks Gillespie), trompetista de jazz, idolatrado pelos músicos do gênero, morto em decorrência de causas naturais aos 75 anos.
- 24/11/1993 – Albert Collins, guitarrista e vocalista texano de blues, conhecido como “o mestre da telecaster” e que tinha Gary Moore, John Mayall, Robert Cray e B. B. King como admiradores; morto em decorrência de câncer aos 60 anos.
- 13/07/1994 – Eddie Boyd ( Edward Riley Boyd), pianista e vocalista de blues, gravou com John Mayall e Peter Green, venerado na Europa onde fez carreira e faleceu de causas naturais aos 79 anos.
- 18/11/1994 – Cab Calloway (Cabell Calloway), entertainer carismático, vocalista de big bands, jazz e r & B, morto em decorrência de causas naturais aos 87 anos.
- 15/06/1996 – Ella (Jane) Fitzgerald, cantora de jazz, chamada de “Lady Ella” e considerada a “Primeira Dama da Canção”. Junto a Sara Vaughan, Billie Holiday e Dione Warwick, foi considerada uma das maiores vocalistas femininas da música norte-americana.
- 14/05/1997 – Frank Sinatra, chamado de “the voice” e “the blues eyes”, quem nunca ouviu "Strangers In The Night", "My Way", "That's Life" e "New York, New York" com ele, morto em decorrência ataque cardíaco aos 82 anos.
- 18/09/1997 – Jimmy Whiterspoon, excelente vocalista de blues e jazz, morto em decorrência de causas naturais aos 77 anos.
- 19/12/1997 – Jimmy Rogers (James A. Lane), guitarrista e vocalista de blues, tocou nas bandas de Muddy Waters e Howlin’ Wolf, morto em decorrência de causas naturais, aos 73 anos.
- 15/01/1998 – Junior Wells, lendário gaitista e vocalista de blues, fez durante sua carreira uma forte parceira com o guitarrista e amigo Buddy Guy. Morto em decorrência de ataque cardíaco aos 63 anos.
- 19/01/1998 – Carl Perkins (Carl Lee Perkins), vocalista e guitarrista de rockabilly, autor de “Blue Suede Shoes”, que foi seu principal sucesso na segunda metade dos anos de 1950 até sofrer um acidente automobilístico que o deixaria afastado por um longo período; justamente nesta época surge um tal Elvis Presley que grava a nova versão mais acelerada para “Blue Suede Shoes” e rouba o cenário do rock & roll; Carl Perkins nunca mais recuperaria seu prestígio apesar de ter fãs famosos como Paul McArtney dos Beatles que procurou apoiá-lo nos momentos difíceis; Perkins faleceu em decorrência de vários derrames sucessivos aos 65 anos.
- 06/03/1999 – Lowell Fulson, descendente de índios e negros, guitarrista e cantor de blues, uma das influências de Eric Clapton, dono do famoso riff de “Reconsider Baby”, morto em decorrência de causas naturais aos 78 anos.
- 12/10/1999 – Frank Frost (Frank Otis Frost), gaitista e vocalista de blues, membro fundador dos Jelly Roll Kings, morto em decorrência de causas naturais aos 63 anos.

Década de 2000


- 21/06/2001 - John Lee Hooker, the boogie man, ícone do country & talking blues, guitarrista e vocalista influente, gravou “ Boogie Chillen” e “ One Bourbon, One Scotch, One Beer”, “Boom Boom Boom”, morto em decorrência causas naturais, aos 83 anos.
- 15/12/2001 – Rufus Thomas, cantor hilário de blues, r & b, soul, gravou “Walking The Dog” que foi regravada pelos Rolling Stones; morto em decorrência de causas naturais aos 84 anos.
- 31/08/2002 – Lionel Hampton, vibracionista e vocalista de jazz, morto em decorrência de causas naturais aos 93 anos.
- 21/04/2003 – Nina Simone, batizada Eunice Kathleen Waymon, cantora e exímia pianista, dominava os gêneros jazz, blues, folk e country. Escolheu tal nome artístico por ser fã da atriz francesa Simone Signoret, se apresentava como Nina Simone para cantar jazz e blues nos bares para não ser descoberta pelos pais metodistas no início de sua carreira. Faleceu na França em decorrência de causas naturais, dormindo em sua cama, aos 70 anos.
- 12/09/2003 - Johnny Cash, cantor e guitarrista de country & rock, “o homem de preto”, iniciou a carreira junto à Elvis Presley, Carl Perkins e Roy Orbinson na Sun Records, gravou com Bob Dylan e flertou com o cinema, morto em decorrência de Síndrome de Shy-Drager e Diabetes, aos 71 anos.
- 10/06/2004 – Ray Charles, pianista e vocalista de soul, r & b, blues e country & western, cego desde de criança, autodidata, um ícone da música afro-americana, dos sucessos "I Can't Stop Lovin' You", "Hit The Road Jack", "Unchain My Heart" e "Georgia On My Mind", morto em decorrência de causas naturais aos 73 anos.
- 13/04/2005 – Johnnie Johnson (John Clyde Johnson), pianista e cantor de blues, R&B e rock & roll, foi líder do The Sir John Trio no início dos anos de 1950 até que um guitarrista ambicioso e que tinha jeito para negócios chamado Chuck Berry tomou-lhe o posto de chefe da banda e se tornou o frontman do conjunto, sem oposição alguma do pacato e modesto Johnnie que atuou como pianista de Chuck Berry por muitos anos e inclusive foi seu parceiro de composições; o hit de Chuck Berry e que todos guitarristas de rock têm que tocar, “Johnny B. Goode”, é um tributo à Johnnie Johnson. Após sair da banda de Berry, Johnson adotou uma postura de bluesman e gravou bons discos como Blue Hand Johnnie (1987), Johnnie B. Bad (1992) e Johnnie B. Back (1995); faleceu aos bem vividos 80 anos.
- 04/08/2005 – Little Milton (James Milton Campbell Jr.), contemporâneo de B. B. King, guitarrista e vocalista de blues, morto em decorrência de causas naturais aos 70 anos.
- 10/09/2005 – Clarence “Gatemouth” Brown, guitarrista, violonista e cantor de blues, country e folk texano, morto em decorrência de causas naturais aos 80 anos.
- 19/01/2006 – Wilson Pickett, cantor de soul e R&B. "The Wicked" Wilson Pickett era conhecido pelo seu estilo ardente de cantar e pela sua voz rouca desenvolvidos durante sua fase gospel na igreja e ruas de Detroit; vários de seus hits, verdadeiros clássicos do soul como “In The Midnight Hour”, Land Of 1000 Dances” , “Mustang Sally”, “634-5789 (Soulsville, U.S.A.)”, “Ninety Nine and a Half (Won't Do)” e “Funky Broadway”, foram regravados por vários artistas do rock; sua gravação de “Hey Jude” dos Beatles com Duane Allman na guitarra foi julgada por alguns como melhor que a original; Pickett começou a ter problemas de saúde a partir de 2004, pretendia voltar a gravar gospel, mas não se recuperou a tempo, falecendo em decorrência de causas naturais aos 64 anos.
- 17/07/2006 – Sam Myers, baterista de Elmore James até a morte deste em 1963, prosseguiu sua carreira no blues como trompetista, gaitista, compositor e vocalista; morto em decorrência de câncer na garganta aos 70 anos.
- 07/09/2006 – Bonnie Lee, cantora de Blues, morta em decorrência de causas naturais.
- l8/10/2006 – Snooky Pryor, gaitista e vocalista de blues, morto em decorrência de causas naturais.
- 17/11/2006 – Ruth Brown, cantora de blues, r&b, soul e jazz, morta em decorrência de causas naturais.
- 21/11/2006 - Robert Lockwood Junior, bluesman, afilhado do lendário Robert Johnson, morto em decorrência de causas naturais.

- 02/12/2006 – Mariska Veres, vocalista morena e exótica da banda holandesa Shocking Blue; era dona de uma voz rouca, roupas não convencionais e forte maquiagem que confundiam o público que se perguntava se a cantora era homem ou mulher; Mariska originariamente cantava na banda Bumblee Bee quando foi descoberta pelos produtores do Shocking Blue que precisavam de uma figura semelhante para ocupar a vaga do primeiro vocalista que deixou a banda em 1968. No ano seguinte o Shocking Blue com Mariska Veres implacou o hit mundial “Vênus” e entrou para a história do pop rock. Outro sucesso da banda foi “Love Buzz”, regravada pelo Nirvana; Mariska Verez faleceu em 02 de dezembro de 2006, com 59 anos, em decorrência de um câncer.
- 25/12/2006 - James Brown, mestre do funk e soul, morto em decorrência pneumonia, aos 73 anos.
- 06/05/2007 – Carey Bell Harrington, gaitista e vocalista de blues, morto em decorrência de causas naturais.
- 12/12/2007 – Ike Turner, ex-marido de Tina Turner, vocalista, compositor, arranjador, multi-instrumentista de blues e soul, morto em decorrência de causas naturais.
- 02/06/2008 - Bo Diddley, Elias McDaniel, pioneiro do rock & roll tribal dos anos 50, alguns de seus sucessos foram "Bo Diddley", "I'm A Man", "Who Do You Love" e "Pretty Thing", morto em decorrência de causas naturais.
- 29/12/2008 – Freddie Humbard (Frederick Dewayne Hubbard), trompetista de jazz, morto em decorrência de ataque cardíaco aos 70 anos.
- 18/02/2009 - Snooks Eaglin (Fird Eaglin), guitarrista e cantor de blues, soul e folk no estilo de New Orleans, sua música também é influenciada pelo cajun, gospel, jazz, e até flamenco; cego desde um ano de idade devido ao glaucoma, Snooks Eaglin tinha um ouvido apurado para a música, tornou-se conhecido “the Juke box man’, suas apresentações eram sempre improvisadas já que ele tocava o que vinha na sua mente; seu apelido veio de um personagem de rádio chamado “baby snooks”, devido as suas travessuras; Eaglin raramente saía da cidade de New Orleans e faleceu quando estava internado para um tratamento de um câncer, que o levou a um ataque cardíaco aos 73 anos.
- 03/06/2009 – Koko Taylor (Cora Walton), cantora de blues e r&b de muita garra lançada por Willie Dixon, morta em decorrência de complicações gastrointestinais, aos 80 anos.
- 21/09/2009 – Sam Carr, célebre baterista de blues e membro fundador dos Jelly Roll Kings, morto em decorrência de causas naturais aos 80 anos. 


Década de 2010

- 10/10/2010 – Solomon Burke, um dos maiores vocalistas negros de soul, gospel e rhythm & blues; no início dos anos de 1960 gravou para o selo Atlantic inúmeros hits tais como “Everybody Neds Somebody To Love”, “Cry To Me”, “Home In Your Heart”, “Down In The Valley” e “Get Out Of My Life Woman”; deixou um enorme vazio para música afro-americana ao morrer em decorrência de um ataque cardíaco aos 70 anos de idade.
- 06/02/2011 – Gary Moore, um dos mais talentosos guitarristas e vocalistas de rock da Irlanda, seu estilo mesclava a rapidez de um Alvin Lee e a técnica jazzística de John McLaughlin; começou profissionalmente na banda de Belfast, Skid Row; em seguida foi convidado em 1973 pelo vocalista e baixista Phil Lynott a integrar o grupo irlandês Thin Lizzy; em 1975 partiu para uma banda de jazz progressivo e tentou uma carreira solo; em 1978 retorna ao Thin Lizzy onde ficou por pouco tempo e logo forma uma outra banda, o G-Force; uniu-se posteriormente ao Greg Lake Band até que a partir de 1981 seguiu definitivamente a carreira solo; de posse da famosa Les Paul dourada do sensacional, mas surtado, Peter Green (a quem Moore tanto admirava), Moore gravou e se apresentou com ícones do blues e declaradamente seus ídolos como Albert King, B. B. King e Albert Collins. Com participação especial de Albert King gravou o excelente disco Still Got The Blues de 1990 e prosseguiu sua carreira alternando rock pesado, baladas & blues. Segundo consta, Gary Moore morreu solitário e em decorrência de um ataque cardíaco no seu quarto em um hotel de luxo na Espanha, aos 58 anos.
- 04/12/2011Hubert Sumlin, foi o guitarrista solo da banda do lendário bluesman Howlin Wolf. Diz a história que Sumlin teria sido motivo de disputa entre Wolf e Muddy Waters na Chicago dos anos de 1950, mas o velho “lobo uivante” saiu vencedor, é claro. Hubert Sumlin se caracterizou pelos riffs e distorções na guitarra elétrica que marcaram os hits de Howlin’ Wolf até então surpreendentes para época. Na lista dos 100 melhores guitarristas de todos os tempos da revista Rolling Stone, Sumlin figurou no 43º lugar. O guitarrista foi reconhecido e venerado por feras como Jimi Hendrix, Eric Clapton e Keith Richards. Sumlin, nascido no Mississipi, cresceu no Arkansas e mudou-se para Chicago onde conheceu e fez uma das mais felizes parcerias do blues com Wolf, permanecendo na banda deste até sua morte em 1976. Pode-se apreciar sua genialidade nas faixas como "Shake For Me", "Tell Me What I’ve Done", "Three Hundred Pounds Of Joy", "Spoonful" e "Backdoor Man", só para citar algumas. Hubert Sumlin não era tão técnico como T-Bone Walker, mas sua pegada causava arrepios. Sumlim prosseguiu tocando com a antiga banda de Howlin’ Wolf por alguns anos, ficou à margem do blues por décadas, mas nos últimos anos foi resgatado em festivais de blues por gente como Eric Clapton e Keith Richards que deviam muito ao mestre guitarrista de blues da escola de Chicago. Em 2002 Sumlin teve um pulmão retirado por causa de um câncer diagnosticado, mas mesmo debilitado continuava suas apresentações e comparecia em eventos em sua homenagem. Uma de suas últimas apresentações foi no Crossroads Guitar Festival de 2007, produzido por Eric Clapton em Chicago. Em 2008 conseguiu seu espaço no Hall da Fama do Blues. Hubert Sumlin se foi aos 80 anos consciente de sua influência inspiradora para o blues elétrico, agora restam muitos poucos de sua geração.
- 20/01/2012 - Etta James (Jamesetta Hawkins), cantora de voz poderosa e marcante de soul, blues, r&b e jazz, infuenciou grandes nomes como Tina Turner e teve seu melhor momento na década de 1960 com vários hits como "At Last", "Tell Mama", "Security", "Trust Me" e "Something's Got A Hold Of Me". Durante sua carreira lutou contra o excesso de peso e sua dependência de heroína; em 2000 fez uma operação de redução de estômago e perdeu quase 100 kg; em 2003 gravou um cd premiado: "Let's Roll", com blues e soul; em 2004 outro cd aclamado e recheado de blues: "Blues To Be Bone". Etta faleceu em decorrência de complicações da leucemia aos 73 anos.
- 13/05/2012 – Donald “Duck” Dunn, baixista, compositor e produtor musical dos mais influentes da música Soul e do R & B afro-americano. Apesar da pele branca, ele e o guitarrista Steve Cropper, seu companheiro de infância, deram uma contribuição significativa para o desenvolvimento da soul music nos EUA, tocando, compondo e produzindo para astros negros da black music como Albert King, Sam & Dave, Otis Redding, Eddie Floyd, Rufus Thomas, etc. Gravou também com Muddy Waters, Jerry Lee Lewis, Bob Dylan, Eric Clapton e Neil Young, só para citar alguns. Foi inesquecível a participação da dupla Dunn e Cropper na banda dos The Blues Brothers de John Belushi e Dan Aykroyd, em filmes, discos e shows. Mas Donald Duck Dunn já era reconhecido como grande músico em meados da década de 1960, quando gravou com The Mar-Keys e integrou o legendário Booker T. & The MG’s, agora definitivamente desfeito com a passagem do “Pato”. Não há como imaginar The MG’s sem ele no baixo elétrico. Donald morreu dormindo num quarto de hotel em Tóquio, no Japão, aos 70 anos de idade após uma apresentação no Blue Note Night Club. Só ouviremos novamente “Green Onions” marcada com o som mágico das quatro cordas do baixo de Duck em discos, cds e dvds. Saudades do garoto que recebeu o apelido de “pato” por ser fanático pelos desenhos animados e quadrinhos do Pato Donald. Depois de Donald Duck, a galera começou a prestar a atenção na performance e importância de um bom baixista dentro de um banda. Antes de Paul McCartney, Jack Bruce, John Paul Jones, John Entwistle, Geezer Butler, Geddy Lee, existia o “Duck”...
- 07/06/2012 – Bob Welch (Robert Lawrence Welch, Jr.), foi vocalista, guitarrista e compositor da banda de rock inglesa Fleetwood Mac (na fase pop-rock). Bob era californiano e substituiu o guitarrista-slide de blues Jeremy Spencer, que saiu da banda meses depois da também retirada do outro guitarrista e gênio do blues, Peter Green. Welch foi recepcionado com a certeza de ser decisivo na revitalização do grupo, dentre os remanescentes ainda estava o jovem guitarrista Danny Kirwan (protegido de Peter Green) que sairia após o segundo disco gravado com Welch (Bare Trees). Bob permaneceu na banda de 1971 a 1974. Sua contribuição para a nova fase do grupo, longe da linha do blues, foi essencial para a recuperação do conjunto. Os álbuns que se destacaram com Welch foram: Future Games (1971); Bare Trees (1972), que trazia a belíssima canção “Sentimental Lady” de sua autoria, que também seria seu maior sucesso durante sua carreira solo; e Heroes Are Hard To Find (1974). Welch foi encontrado morto pela esposa, com um ferimento à bala no peito, indicando que se tratava de um suicídio. Ele teria deixado um bilhete de despedida, estava com 66 anos. As investigações continuam.
- 16/07/2012 - John Lord (Jonathan Douglas Lord) era o tecladista de vastos bigodes e co-fundador da banda britânica Deep Purple. A banda era considerada um componente da trindade do rock pesado dos anos de 1970, junto com o Led Zeppelin e Black Sabbath. Sua contribuição para banda que mais marcaram são os riffs dos clássicos “Child In Time” e “Smoke On The Water”. Participou também como integrante do grupo Whitesnake de David Coverdale durante o período de inatividade do Purple. Os teclados de John Lord davam ao Deep Purple um tom sofisticado à banda, apesar do som permanecer essencialmente pesado, mas era o que a diferenciava dos seus dois principais rivais, Zeppelin e Sabbath. John Lord morreu aos 71 anos vítima de embolia pulmonar (obstrução das artérias dos pulmões), ele já estava lutando com um câncer no pâncreas desde 2011, quando tinha parado de tocar.
- 06/08/2012 – Celso Blues Boy (Celso Ricardo Furtado de Carvalho), guitarrista e vocalista de blues e rock; considerado por muitos como o pioneiro do blues no Brasil; aos 17 anos começa a tocar como profissional na banda do ícone do rock nacional, Raul Seixas; tocou também para Sá & Guarabyra e Luiz Melodia. O “blues boy” de seu nome artístico seria uma homenagem ao seu grande ídolo do blues, B. B. King (ou Riley “Blues Boy” King), com quem chegou a tocar em 1986, durante as apresentações do “rei do blues” aqui no Brasil. Celso foi o líder das bandas nacionais Legião Estrangeira e Aero Blues, essa última considerada a primeira banda de blues do Brasil. Vertendo também para o rock, seu primeiro disco foi Som Na Guitarra (1984), no qual se destacou a faixa “Aumenta que isso aí é Rock’n Roll”. Remando contra a maré do mercado fonográfico brasileiro vieram outros álbuns, entre eles estão, Marginal Blues (1986); Blues Forever (1988), com versões pessoais de sucessos do blues, soul e rock, como “Built For Confort” de Willie Dixon, “Sittin On Dock Of Bay” de Otis Redding, e “Honk Tonk Women” dos Rolling Stones; Quando A Noite Cai (1989); Indiana Blues (1996) – destacando a faixa “Mississipi” com a participação de ninguém menos que B. B. King na faixa e no clip promocional; Vagabundo Errante (1999); e seu último CD “Por Um Monte De Cerveja” (2011). Celso Blues Boy gravou em 2008 seu único DVD ao vivo no Circo Voador, no Rio de Janeiro, também lançado em CD; participou de grandes festivais como o de Montreaux (na Suíça), onde chegou a tocar com a banda de James Brown em jam sessions. Com sua guitarra stratocaster destilando blues, Celso certamente inspirou o surgimento de outras bandas de blues no Brasil, tais como Blues Etílicos e Baseado em Blues, e como a maioria dos bluesmen, não conseguiu fazer fortuna com seu blues-rock. O nosso herói da guitarra, um fumante inveterado, faleceu prematuramente em Joinville, Santa Catarina, aos 56 anos, em decorrência câncer na laringe, ele já sofria de bócio, causado pela perda de iodo no organismo. 

- 21/02/2013 – Magic Slim (Morris Holt), nasceu no ano de 1937 em Grenada, no Mississipi. Se interessou a princípio pelo piano, mas ao sofrer um acidente com uma máquina de colher algodão que o fez perder o dedo mínimo da mão direita, ele foi obrigado a adotar a guitarra acústica. Aos 18 anos foi para Chicago e foi convidado pelo companheiro de luta e lendário guitarrista, Magic Sam (Samuel Maghetti), para tocar baixo em sua banda. Como Slim não teria se entrosado com os outros componentes do grupo, retorna ao velho Mississipi e recorre ao seu irmão Nick que assumiu o baixo, com ele a guitarra e mais um baterista, formando assim a primeira versão dos Teardrops no início dos anos de 1960. Uma das características mais notáveis de Magic Slim foi sua simplicidade, apesar do inseparável chapéu texano, de seus 1,98m e corpanzil forte, ele somava ao seu carisma, muita simpatia, bom humor e desapego ao estrelismo; além disso, Magic Slim tinha uma técnica de tocar ímpar, que unia o slide e o vibrato, o que lhe proporcionava um som econômico e sem virtuosismos de sua guitarra, mas que alcançava no tempo certo e preciso o clímax necessário para um blues balançante. Nas décadas de 1970, 80 e 90, os ícones do blues elétrico iam desaparecendo aos poucos, e o gênero começava a cambalear enfraquecido. Coube a figuras como Magic Slim segurar a onda, inspirando os jovens em todo o mundo que não tiveram a oportunidade de escutar o autêntico blues elétrico de Chicago. E ele cumpriu sua missão com competência, gravando mais de 30 discos e fazendo shows por todo o mundo, inclusive vários deles no Brasil, encantando a todos por sua simplicidade, simpatia e o som contagiante dos Teardrops. Nos últimos anos, Magic Slim era obrigado a se apresentar sentado devido a problemas com o seu quadril, que somado à sua idade avançada e vida sedentária, também sofria com outras complicações com os pulmões e coração, graças seus vícios de fumar e de beber garrafas inteiras de Jack Daniel’s, sem contar com o sobrepeso e sua resistência à uma dieta controlada certamente recomendada pelos médicos. Mas mesmo com tantos problemas físicos, a qualidade de suas últimas apresentações e discos (ou cds) se mantiveram em alta qualidade. Os discos de Magic Slim são ao meu ver todos recomendados, não se deve procurar neles nenhuma pitada de genialidade ou inovação, mas com certeza se achará em suas gravações e shows, muito profissionalismo, competência, entrega, garra e o que blues mais oferece, balanço e muito ‘feeling’. Posso citar dentre o muitos de sua boa discografia: Highway Is My Home (1978); Grand Slam (1982); Raw Magic (1983); Black Tornado (1998); Blue Magic (2002); Midnight Blues (2008) e Bad Boy (2012). Magic Slim faleceu em decorrência  do agravamento de seus vários problemas de saúde, com o comprometimento dos pulmões e rins e sangramento de úlcera, que o obrigaram a abandonar uma turnê no mês de janeiro deste ano para se tratar. Se queixando de dificuldades para respirar, Slim foi internado num hospital na Filadélfia, na costa leste dos Estados Unidos, mas acabou não resistindo e partindo aos 75 anos. A mágica do blues jamais será mais a mesma. 
- 06/03/2013 – Alvin Lee (Graham Alvin Barnes), guitarrista, vocalista e compositor britânico nascido em 19 de dezembro de 1944. Em meados dos anos de 1960, o jovem Alvin Lee integrava a banda Jaybirds, com ele na guitarra, Leo Lyons no baixo e Ric Lee na bateria. O trio cumpriu a mesma trilha inicial dos Beatles  se apresentando em todos os pubs londrinos possíveis, até chegarem ao Star club em Hamburgo, na Alemanha. Mais tarde o empresário Chick Churchill assumiria os teclados e a mudariam o nome da banda para Ten Years After. Na segunda metade da década de 1960, começam a se destacar nos clubes londrinos mais importantes como o Marquee, com apresentações vibrantes e detonando temas de blues & rock. Nessa epóca, Alvin Lee deu um empurrãozinho para o recém formado Black Sabbath, agendando uma apresentação essencial para o futuro da banda de Tony Iommi e Geezer Buttler no Marquee. Com o álbum ao vivo no London’s Klookskleek Club foram finalmente notados na America e convidados para tocar no Fillmore East. E no auge da revolução psicodélica, a eletrizante performance de Lee no festival de Woodstock em 1969, obteve grande destaque, principalmente durante sua explosiva versão ao vivo para “I’m Going Home”. Após o sucesso em Woodstock, o Ten Years After fez inúmeras apresentações pelos Estados Unidos, tornando-se uma das bandas mais queridas por lá. Em 1974, o Ten Years After se dissolveu e Alvin Lee investiu numa carreira solo lançando bons discos com o apoio e participação de amigos renomados como George Harrison e Eric Clapton. Nos anos 80 Alvin Lee retornaria com um novo Ten Years After. Os discos Ten Years After são todos indispensáveis, mas posso citar: Ten Years After (1967), Stonedhenge (1969); Ssssh (1969); Cricklewood Green (1970) e Space In Time (1972). Na carreira solo de Alvin Lee, se destacam On The Road To Freedom (com Mylon LeFevre - 1973);  e In Flight (1974). Alguns temas de sucesso de Alvin Lee & Ten Years After além de “I’m Going Home”, foram “Good Morning Little School Girl”; “I Woke Up This Morning”,  “Help Me”; “Slow Blues In ‘C’ ”; “Hear Me Calling”; “Love Like a Man”; “Positive Vibrations” e “I’d Love To Change The World”. Alvin Lee faleceu em decorrência de uma cirurgia de rotina mal sucedida e não esclarecida pela família, aos 68 anos. Seu último trabalho foi o CD Still On The Road To Freedom, de 2012.
- 20/05/2013Ray Manzarek (Raymond Daniel Manczarek, Jr.), tecladista, compositor, cantor e produtor de filmes, também co-fundador da lendária banda de rock norte-americana, The Doors, em 1965. Foi parceiro de composições do polêmico e pevertido vocalista da banda, Jim Morrison. Muitos dos maiores sucessos do The Doors como “Light My Fire”, “When The Music’s Over”, “The End” e “Riders On The Storm”, foram marcados para sempre com a autoria e som característico dos teclados de Ray Manzarek. Os discos (cds) recomendados do The Doors são The Doors (1967); Strange Days (1967); Waiting For The Sun (1968), Morrison Hotel/Hard Rock Cafe (1970) e L. A. Woman (1971). Fã de um bom blues e R&B, Manzarek era o responsável direto pelo som da banda nitidamente influenciado por esses gêneros musicais; e apesar do carisma incontestável de Morrison, era Manzarek que realmente liderava o grupo californiano. Nos anos recentes Ray Manzarek ressuscitou o The Doors, convocando o guitarrista original da banda, Robby Krieger, e Ian Astbury (ex-The Cult) para os vocais, numa temporada relativamente bem sucedida em 2002. Manzarek faleceu em decorrência de um câncer na vesícula biliar na cidade de Rosenheim, na Alemanha, aos 74 anos de idade.
Por Eumário J. Teixeira.

2 comentários:

  1. Parabéns pelo seu trabalho de pesquisa e transcrição sobre a morte dos grandes ídolos da música.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo reconhecimento e incentivo.
    É bom saber que a pesquisa que foi útil ou interessante para alguém, mesmo que esse alguém não se identifique...

    ResponderExcluir