18 de out de 2009

ELVIS PRESLEY E O CRISTIANISMO

A música gospel é tradicional e respeitada nos Estados Unidos da América. Os estados de Louisiana, Tennesee, Arkansas, Texas e Mississipi que o digam; mas, precisamente na cidade de Memphis, no Tennesee, a música de louvor martelou a cabeça de uma geração de jovens criados num regime familiar rígido e moralista, típico daquelas regiões. Mas foi nesses estados mais ao sul dos EUA que surgiram alguns dos maiores ícones do rock & roll, que representariam a juventude transviada norte-americana dos anos de 1950. A saber, Jerry Lee Lewis, Carl Perkins, Johnny Cash, Roy Orbinson e, é claro, Elvis the pelvis.

Elvis Presley foi criado por sua mãe dentro dos padrões de uma família cristã temente a Deus, pois freqüentava regularmente as escolas dominicais da sua igreja. Poderia perfeitamente ter se tornado um 'pescador de almas', já que tinha fé, carisma e desenvoltura para isso. Se dependesse de Gladys, sua mãe, assim teria sido.
Ele assistia constantemente as pregações do pregador da Igreja Batista de East Trig em Memphis, que era famoso por seu louvor e pregações animados pelo “fogo do Espírito”; e também admirava as performances dos Blackwood Brothers, conjunto gospel preferido de sua mãe. O irmãos Balckwood cantaram no funeral de Gladys em 1958 e aliás, a morte da mãe por ataque cardíaco, ocasionou a Elvis uma profunda depressão e desde então ele nunca mais foi o mesmo.
Elvis e e o grupo vocal gospel Statesmen Quartet
Na igreja além do gospel e spirituals, Elvis curtia as performances dos pregadores que corriam de um lado para o outro no púlpito, martelando o piano e sacudindo a cabeça, braços e pernas. Ele percebia desde cedo que para cantar com “feeling” não bastava só a voz, mas também usar todo o corpo para se expressar verdadeiramente.
Mas além de acompanhar e interpretar muito bem gospel e spirituals nos cultos da igreja, Elvis se sentia muito confortável para cantar os ritmos mudanos da country music, o rockabilly e particularmente o blues. Mas o bom rapaz teve um empurrãozinho do diabo que percebera o potencial do mesmo para seduzir multidões levando-o a gravar seu primeiro compacto, uma homenagem a sua mãe, na Sun Records em Memphis. Só que ao invés de gravar um louvor comportado para a mãe cristã, Elvis improvisa e grava uma versão acelerada de “That´s Alright Mama” do bluesman Arthur “Big Boy” Crudup.


CD coletânea com 40 faixas de gospel gravadas por Elvis
Elvis Presley selou seu próprio destino ao criar do nada uma forma diferente de interpretar o rhythm & blues negro que o fez desviar do caminho de louvor e adoração à Deus. E direcionando todo o seu potencial para o rock & roll, Elvis foi adotado pouco depois pelo empresário farejador de dinheiro e sem escrúpulos Tom Parker, que se apossou com muita competência da vida e alma do futuro “Rei do rock”. Até o fim de sua vida, Elvis foi controlado como a um marionete pelo Cel. Parker e quando nem mesmo as injeções de anfetamina e outras drogas químicas receitadas pelo famigerado Dr. George Nichopolous e outros diferenciados meios de fuga como garotas de programa, gula e consumismo desenfreado, lhe traziam a paz, ele se refugia na música gospel, que era seu porto seguro.

Em
Tiago 1.13-15, se lê: “Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atraí e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.” 


Elvis Aaron Pressley (com dois 's') nasceu em Tupelo, Mississipi, na madrugada em 8 de janeiro de 1935, trinta e cinco minutos após seu irmão gêmeo Jesse, que veio ao mundo já morto (Elvis se culparia por toda a vida pela morte de Jesse). Quando Elvis fez 1 ano de idade em 1936, Tupelo foi varrida por um furacão, causando destruição de igrejas, escolas, casas, com um saldo de mais de 200 mortos e centenas de feridos. A tragédia fez com que as diferenças raciais acirradas na época fossem deixadas de lado por um tempo até a reconstrução da cidade. Para piorar as coisas seu pai, Vernon Presley, foi preso em 1937 por falsificação de cheque e só liberto em 1941.
Elvis e Mahalia Jackson (à esquerda)
Com o início de vida atribulado, o jovem Elvis (com 9 anos de idade) teria sido batizado com o Espírito Santo numa Igreja Assembléia de Deus que seguia a doutrina pentecostal. Em 1948 a família Presley se mudou para Memphis e foi lá que tudo começou a mudar...e o resto é história.
Anos mais tarde, já famoso e idolatrado por um público imenso e fiel, Elvis não se esquecia da música gospel e quando cantava aquelas músicas de louvor, resgatava aqueles momentos preciosos de sua infância e juventude em que ouvia tais hinos frequentemente na igreja ou em casa com sua mãe, se sentindo aliviado espiritualmente mesmo que por um breve período.
Depois do trauma da morte da mãe em 1958, Elvis enfrentaria outro golpe que o deixa bastante fragilizado em 1973, ele se divorcia de Priscilla Presley que já estava se relacionando com Mike Stone, um instrutor de karate coreano famoso entre as celebridades.
Elvis estava perdido no final dos anos 70 e no seu íntimo ainda acreditava na sua salvação; isso era evidente quando interpretava aqueles gospels nos seus shows com todo aquele fervor, parecia estar pedindo por socorro e perdão à Deus.


Elvis e o grupo vocal gospel The Imperials
Quando estava no topo do sucesso como roqueiro e em baixa com a comunidade cristã, Elvis começou a comparecer às Covenções Anuais de Quartetos Gospel de Memphis que se iniciaram em 1957, ano em que gravou "Peace In The Valley" (Paz No Vale), que agradou por demais a comunidade evangélica. Em seguida vieram os LPs somente com músicas gospel: His Hand In Mine (Sua Mão em Mim) de 1960; How Great Thou Art (Quão Grande É A Vossa Sabedoria) de 1967, que foi aclamado pelo público e crítica; e em 1972, lançou He Touched Me (Ele Me Tocou), que traz a ótima versão de “Amazing Grace” (Graça Excelsa). Elvis se saiu tão bem nas gravações de tais álbuns e em algumas interpretações ao vivo que ganhou os prêmios Grammy de 1967, 1972 e 1974, entrando para o “Hall da fama” da gospel music.

Elvis e o grupo vocal gospel The Jordanaires
Elvis admirava os principais vocalistas da música gospel como Jake Hess dos Statesmen, George Beverly Shea e Mahalia Jackson, a rainha do gospel norte-americano. Nos anos 60, Elvis chegou a se encontrar com Mahalia e demonstrar todo o seu respeito por ela. Grupos vocais importantes apoiaram Elvis em suas gravações de gospel nos estúdios e palcos, como The Jordanaires nos anos 60, The Imperials no início dos anos 70 e The Stamps já no final da década, do qual se destacava o vozeirão de J. D. Sumner. Sem esquecer de mencionar o grupo vocal feminino Sweet Inspirations.
Houve uma ocasião no início dos anos de 1970, que Sylvia Shemwell, vocalista do Sweet Inspirations recebeu um diagnóstico de câncer no abdomem. Quando soube, Elvis imediatamente tocou em seu ventre e orou a Deus pedindo sua cura. Não se sabe se foi em virtude da fé de Elvis ou de Sylvia, ou até mesmo se ocorreu um diagnóstico errado, mas ela foi curada, o que foi comprovado por exames.  


Elvis e o grupo vocal gospel The Stamps, com J. D. Sumner
Elvis sempre acompanhou lançamentos dos trabalhos de conjuntos gospel como dos Harmonizing Four e The Golden Gate Quartet. Outra influência que Elvis nunca negou, foi a do já citado vocalista gospel e fiel conselheiro, J. D. Sumner, a quem Elvis acompanhava desde os tempos dos Blackwood Brothers e copiou muito dos seus trejeitos ao cantar. Não há como negar a influência do gospel na formação musical de Elvis, e o mais importante era que ele realmente via na música de louvor seu último recurso para se comunicar com Deus a quem tanto amava e ao mesmo tempo temia. Infelizmente ele caiu no laço do diabo e se deixou abater...mas se ele realmente um dia se arrependeu, foi batizado e recebeu o Espírito Santo, Deus certamente teve misericórdia de sua alma. Elvis poderia ter sido um instrumento poderoso nas mãos do Senhor Jesus aqui na Terra.

Em Isaías 20.28-31 se lê: Não sabes, não ouvistes que o eterno Deus, o Senhor, o criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não se pode esquadrinhar o seu entendimento. Faz forte ao cansado e multiplicas as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansam e se fatigam, e os moços de exaustos caem, mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.”

Está em João 3.16 : Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”


Elvis e J. D. Sumner sings the gospel
No funeral de Elvis Presley em agosto de 1977, Jake Hess e integrantes do quarteto The Statesmen cantaram “Know Only To Him”, Kate Westmoreland cantou “My Heavlenly Father Watches Over Me”, e James Blackwood e The Stamps cantaram “How Great Thou Art”. A pregação coube ao Pastor Rex Humbard, a quem Elvis admirava e assistia aos domingos pela TV seu programa entitulado, “Você é Amado”. 
Para finalizar, Tony Brown, ex-vocalista dos Stamps e presidente da MCA Records, relatou que em certa ocasião em uma apresentação, desta vez no estádio da Faculdade de Notre Dame no final dos anos 60, Elvis já estava incomodado com toda aquela adoração dos seus fãs, quando surpreendeu um grupo de tietes entusiasmadas que ocuparam uma fileira de cadeiras e esticaram uma enorme faixa lateral em que se dizia: “Elvis você é o Rei”. Elvis prontamente parou de cantar e respondeu: “Não, Jesus Cristo é o único rei!”; o que fez as garotas recolherem a faixa e se assentarem envergonhadas.
Capas do álbuns com temas gospel gravados por Elvis
 Aqui uma interpretação inesquecível de "Dixieland" por Elvis Presley visivelmente emocionado no link do you tube:
 
Por Eumário J. Teixeira.

8 comentários:

  1. É ISTO AÍ EUMÁRIO,COLOCANDO TODO MUNDO PARA REFLETIR.

    ResponderExcluir
  2. Nossa que bonito coisas lindas. Eu admiro esse irmão Elvis Presley.

    ResponderExcluir
  3. Ele , foi e será respeitado por mim.Fez coisas linda pra Jesus. Ninguém imita ele em nada , foi criação de Deus. Eu amo Elvis.

    ResponderExcluir
  4. Música gospel só ele. Élvis meu eterno amor.

    ResponderExcluir
  5. Ao entrarmos na gloria teremos muitas supresas, quem pode julgar quem foi salvo e quem não foi , nunca poderemos fazer isto , vamos crer e confiar para chegarmos a gloria.

    ResponderExcluir
  6. Elvis ajudou varias instituiçoes de caridade entre uma dela um hospital que ja estava fechando por falta de recursos,Elvis em seu quarto ouvindo radio ouviu o pedido de ajuda do hospital, entao Elvis fes um cheque carantido as portas do hospital aberta,um ser humano generoso isso vem de DEUS sem duvida nem huma entao viva Elvis.

    ResponderExcluir
  7. Alessandra Brito16 de maio de 2017 19:46

    Torço para que, mesmo nos seus últimos dias, Elvis tenha realmente se rendido ao Senhor e se arrependido de seus pecados. Seu talento,especialmente ao interpretar músicas gospel , é admirável!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém. Eu acredito que a misericórdia de Deus o tenha alcançado.

      Excluir